Iniciativa envolve a Scania e organismos públicos do estado do Paraná

   Por Roberto Hunoff   
Foto Scania, Divulgação

 

Desde março, um ônibus 100% movido a gás natural veicular (GNV) integra o transporte coletivo urbano da Região Metropolitana de Curitiba. A ação faz parte do projeto de mobilidade urbana sustentável por meio do uso do gás natural realizado pela Compagas (Companhia Paranaense de Gás) em conjunto com a Agência de Assuntos Metropolitanos do Paraná (AMEP) e Governo do Estado, e em parceria com a Scania.

O itinerário escolhido é a linha São José-Guadalupe, num trajeto superior a 280 km, por dia, entre São José dos Pinhais e Curitiba. O veículo é do tipo padron e de modelo K 280, com 13,2 metros de comprimento e capacidade para 86 passageiros. É a primeira vez que o ônibus a gás é testado em uma linha metropolitana.

O operador escolhido foi a Viação São José. A demonstração na linha metropolitana levará 30 dias e o objetivo será certificar os indicadores de eficiência, em especial, a redução nas emissões de poluentes. O governador Carlos Massa Ratinho Junior assinalou que várias cidades no mundo já têm praticamente 80% da frota movida a gás natural.

“Esse é o primeiro ônibus que teremos no Paraná para experimentar a eficiência e o custo operacional comparado a um movido a óleo diesel, além da questão ambiental, que é uma preocupação que temos a cada dia”, frisou.

Durante o lançamento do projeto, no Palácio Iguaçu, sede do governo local, o governador antecipou que, caso seja viável, a ideia é expandir a frota de veículos do transporte público do estado com ônibus que utilizem o gás natural.

“Com os testes sendo aprovados, queremos ajudar os municípios a ampliar a frota movida a gás natural para que o custo operacional fique mais baixo, já que o diesel acaba sendo caro para o transporte público”, acrescentou.

Para o CEO da Compagas, Rafael Lamastra Jr, o projeto coloca o Paraná em um movimento de destaque em sustentabilidade e mobilidade urbana.

“O gás natural é reconhecido como uma energia mais limpa e colabora diretamente para a transição energética com melhor competitividade. Os veículos de transporte coletivo a gás são uma realidade nas principais cidades do mundo e precisamos aplicar essa tecnologia no estado, realizando a substituição de ônibus por modelos capazes de contribuir com o meio ambiente, a saúde da população e com a economia”, reforçou.

O diretor-presidente da AMEP, Gilson Santos, destaca que adotar veículos movidos a gás natural pode ter um impacto econômico significativo para os estados e municípios, o que refletiria diretamente no custo para o usuário.

“A ideia de fazer a experiência com esse ônibus a gás vem ao encontro de buscar novas tecnologias, um custo que seja mais acessível para o gestor, Estado e usuário que paga tarifa”, complementou.
Apresentação do novo ônibus movido a Biometano/GNV Veículo lançado pela Scania tem baixo nível de ruído e emissões de gases conforme o padrão Euro 6, o mais recente adotado na União Europeia. com a presença do governador do Paraná Carlos Massa Ratinho Junior,Rafael Lamastra Jr, diretor-presidente da Compagas (Companhia Paranaense de Gás), Eduardo Pimentel, secretário de Cidades e Gilson Santos, da Agência de Assuntos Metropolitanos do Paraná (Amep).

O mercado do Paraná é de grande interesse para a Scania, razão para a empresa investir no projeto de demonstração do veículo na região metropolitana de Curitiba para comprovar as vantagens da solução a gás.

“Temos um pacote completo alternativo ao diesel, composto por produto, serviços, eficiência energética, tecnologias avançadas e viáveis, e sistemas eficazes para uma moderna e rentável gestão da operação. Tudo em uma perfeita união de mobilidade sustentável com economia operacional. Para o usuário do ônibus haverá ainda grande diferença na poluição auditiva, pois o veículo a gás é muito mais silencioso do que o similar a diesel”, afirma Celso Mendonça, gerente de Vendas de Soluções de Mobilidade da Scania Operações Comerciais Brasil.

Em relação ao diesel, o veículo a gás emite índice que pode chegar a até 20% a menos de CO² (dióxido de carbono, gás que provoca o efeito estufa). A redução de óxidos de nitrogênio (NOx) é de quase 90% e de material particulados chega a 85%. Os efeitos são de curto prazo, com um menor índice de doenças cardiovasculares e da perda de produtividade causada por esses poluentes.

Após a demonstração em conjunto com a AMEP, por meio da Viação São José, a expectativa é que o ônibus circule por mais 30 dias pela capital paranaense em uma linha municipal, em ação conjunta com a Prefeitura de Curitiba. O ônibus a gás também estará exposto durante a Smart City Expo World Congress, que será realizada em Curitiba, de 22 a 24 de março, no Centro de Eventos Positivo, no Parque Barigui. O objetivo é apresentar a toda a sociedade esse novo conceito em mobilidade urbana sustentável.


<< Anterior                                                                                                                                                           Próxima  >>

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here