No mercado atual, cada vez mais competitivo, todo dono de transportadora deve saber sobre tecnologia e como recursos modernos podem impactar o segmento de transporte rodoviário.

Esse estudo é necessário para se estar à frente da empresa, uma vez que é o empresário o responsável por aprovar as estratégias de inovação, prevendo o lucro e o crescimento da transportadora a longo prazo.

Inegavelmente, o transporte rodoviário é um dos principais pilares da economia brasileira. Afinal, 75% de tudo o que consumimos chega ao consumidor por meio de caminhões.

Nesse sentido, existe um grande número de transportadoras disponíveis no mercado, que vivem diariamente uma disputa acirrada em busca do melhor serviço pelo menor frete.

A Quarta Revolução Industrial

Só para ilustrar: o nível de exigência do cliente final aumentou no mundo moderno. Isto é, os consumidores têm, hoje, um senso de urgência maior.

Mesmo quando o embarcador da transportadora é do setor industrial, é imprescindível que os produtos cheguem ao destino final dentro do prazo estabelecido.

Afinal, a mera ausência de um produto por poucos dias em um mercado, por exemplo, já faz com que o consumidor final recorra à concorrência e, assim, o embarcador perde em vendas.

As empresas, portanto, passaram – e ainda passam – por uma profunda transformação logística, para que a entrega ocorra de maneira segura, rápida e com qualidade.

Essa transformação está totalmente atrelada à Quarta Revolução Industrial (Indústria 4.0), Internet das Coisas e Computação em Nuvem, que abordaremos no post de hoje.

Portanto, é primordial que todo dono de transportadora saiba dos principais e melhores softwares de gestão que irão auxiliá-lo em processos rotineiros. Assim, unificando todos os departamentos em um ambiente único, amigável e de fácil acesso por diversos dispositivos.

A otimização dos processos feita por meio de softwares de gestão reduz diversos custos. A saber:

  • Manutenção da Frota;
  • Gerenciamento de Combustível;
  • Controle de Pneus;
  • Gerenciamento de Galpão/Armazém;
  • Financeiro;
  • Escala e controle de ponto de Motoristas;

transportadora

Um destes softwares é o ERP (Enterprise Resource Planning), que coleta todos os dados de sua empresa em tempo real, integra processos entre departamentos e automatiza rotinas empresariais da transportadora, como a emissão de documentos fiscais de transporte, por exemplo.

Nesse sentido, confira abaixo algumas das grandes funcionalidades que o ERP pode executar dentro de sua transportadora!

Otimização do deslocamento de carga

O ERP auxilia as transportadoras que tem como core business a movimentação de cargas fracionadas, ou seja, que distribuem suas mercadorias em múltiplos destinos.

Além disso, permite a visualização de toda a operação, o que, portanto, facilita ao gestor um melhor planejamento das rotas de entregas dos produtos.

Rastreamento de Frota

Hoje, também é possível rastrear a localização de todos os caminhões da frota, em tempo real.

Esta tarefa é realizada por meios de serviços via satélite GSM/GPRS e radiofrequência, com o uso de computadores, tablets e smartphones. Assim, aumenta-se a segurança dos veículos, permitindo que sejam enviados alertas e bloqueios, caso necessário.

Do mesmo modo, permite averiguar se os colaboradores estão cumprindo o roteiro de entrega, melhorando, assim, o gerenciamento de equipe e frota.

Sistema de Gerenciamento de Transportes (TMS)

O TMS, sigla para Transport Management System, controla e aumenta o desempenho da operação. Isto é, permite ao gestor o controle das operações de custo de maneira integrada, sendo, portanto, uma ótima opção para o segmento.

O TMS é o sistema que realiza funções específicas da transportadora. A saber:

  • Cadastro de documentações burocráticas (controle de funcionários, estoque de peças, materiais de consumo);
  • Cálculo de fretes e tabelas;
  • Emissão de relatórios de desempenho;

 Sistema de Gerenciamento de Armazém (WMS)

O WMS, sigla para Warehouse Management System, é um software exclusivo para o gerenciamento do armazém de uma empresa.

Ou seja, entre suas diversas funções, o WMS realiza a rotação dirigida para estoques, diretivas de picking, consolidação automática cross-docking, entre outras tarefas.

Em suma, o software é o responsável pelo momento da entrada de um determinado produto dentro do armazém, sua separação, organização, classificação e despache para os caminhões.

ERP de Gestão Integrada

Há, no mercado, ERPs (Enterprise Resource Planning) específicos para determinadas operações, como a do setor de transporte rodoviário, por exemplo.

Nesse sentido, o ERP pode reunir os principais benefícios de sistemas TMS (operação) integrando-o às operações backoffice (departamentos internos, como financeiro e RH).

Além disso, o sistema também abrange e integra informações de manutenção da frota, bem como do armazém (WMS).

Com um ERP robusto, específico para o transporte de cargas, o gestor da transportadora tem total controle da sua frota em diversos aspectos.

Um deles é o gerenciamento de custos, onde o gestor tem na palma da mão os seguintes dados:

  • Melhor veículo disponível para operação;
  • Nível de combustível da frota e consumo médio;
  • Período para a realização das manutenções preditivas e preventivas;
  • Nível de óleo e lubrificantes e momento de troca;

O dono da transportadora deve estar atento a esses dados diariamente, pois um pequeno deslize em um deles pode causar falhas operacionais e custos altíssimos de reversão, tirando a operação logística da empresa do eixo.

Por fim, é importante que a transportadora realize uma gestão inteligente de compras e de estoque, evitando assim a aquisição desnecessária de produtos. Dessa maneira, o fluxo de caixa da transportadora torna-se mais saudável e preciso.

Resultados comprovados

Em suma, diante todo este contexto, o ERP Carga e Logística da Praxio – o único no mercado essencialmente destinado ao setor rodoviário de cargas – pode ajudá-lo na otimização de processos da transportadora, uma vez que atende a todas as necessidades operacionais deste segmento.

Além disso, essa tecnologia permite ao dono de transportadora visualizar dados de toda a operação como um todo. Dessa maneira, facilitando decisões gerenciais internas e de mercado. Ou seja, é possível implementar técnicas e ferramentas de BI (Business Intelligence) no transporte de cargas.

Assim, o ERP Carga e Logística também viabiliza uma gestão compartilhada do negócio, envolvendo transportadora e embarcador. Afinal, os dados da operação podem ser acessados e discutidos em tempo real por todos os envolvidos no processo.

É o que aconteceu na transportadora Henrique Stefani, em que os embarcadores podiam visualizar, junto a ela, dados como faturamento dos veículos, quilometragem rodada e disponibilidade da frota, por exemplo.

Além, é claro, dos benefícios de um ERP com TMS e WMS próprios e já integrados – com robôs que automatizam diversas etapas da operação.

Matéria anterior: As concessões e os rumos da malha rodoviária brasileira
Próxima matéria: Possíveis legados da Covid-19, incluindo o transporte

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here