União estratégica

 

Das promessas de montadoras chinesas de caminhões ocorridas no auge da euforia do setor, em 2011, a Foton foi a única a manter firme seus planos de produção no Brasil mesmo diante da forte retração do mercado. Sinotruk e Schacman ninguém nem ouve mais falar. A Foton segue em frente inaugurando revendas (foram duas novas neste ano) e agora, como sua fábrica em Guaíba, RS, não ficará pronta neste ano, tratou de firmar contrato com a Agrale para produzir seus caminhões de 3,5, 10 e 13 toneladas em uma linha já pronta da montadora gaúcha.

No segmento de leves, caminhonetas, a Foton vai muito bem. De acordo com dados fornecidos pela Fenabrave, entidade que congrega os revendedores oficiais, no primeiro bimestre deste ano a marca chinesa comercializou 69 unidades de seus modelos mais leves, de 3,5 toneladas, considerados de entrada. O veículo, com trem de força de prestígio formado por Cummins e ZF, além de cabina com um design mais moderno, agrada os consumidores e, de fato, tem mais um jeitão de caminhão europeu (que agrada o transportador nacional) do que de veículo chinês (que normalmente é visto como produto barato e de baixa qualidade).


Bernardo Hamacek CEO da Foton Caminhões.

Os caminhões Foton começam a ser vistos pelas ruas. E isso animou os investidores brasileiros que estão à frente da operação e, ainda mais, os executivos da China que ainda enxergam no Brasil um grande potencial para a internacionalização da marca. “Já temos 25 revendas ativas e pretendemos chegar a 35 até o final deste ano”, diz Bernardo Hamacek, CEO da Foton Caminhões.

O mercado retraído pode ser favorável para a Foton. “Este é o momento em que os clientes fazem contas, avaliam todas as possibilidades e, certamente, por oferecer produtos de alta qualidade, a Foton vai se favorecer com esta situação em que as marcas tradicionais tiveram queda nas vendas”, diz Antonio Dadalti, especialista no mercado de caminhões e consultor da Foton. Por isso mesmo a marca tem pressa para ter logo seus caminhões “made in Brazil”. Enquanto a casa própria está em construção, o negócio foi alugar um espaço já pronto para começar a produzir imediatamente.


Luiz Carlos Mendonça de Barros Presidente

O negócio feito com a Agrale é excelente para ambas as marcas. A Agrale entra com o espaço e a mão de obra, e a Foton se encarrega da compra dos insumos para produzir seus caminhões e, logicamente, da inspeção final de qualidade. É como terceirizar a produção por um tempo enquanto aguarda sua fábrica própria. A Agrale já fez isso, com sucesso, com a International e agora faz com a Foton. A diferença é que o pessoal da Agrale é mais especializado exatamente nos produtos que a Foton quer fazer agora: caminhões leves até 13 toneladas.

Segundo comunicados da Foton e da Agrale, esta parceria está prevista para acontecer no período de um ano a contar abril. Ambas, contudo, dizem que é possível prorrogar. Tudo vai depender de como andam as obras da fábrica de Guaíba. E quem faz obra no Brasil sabe que atrasos quase sempre devem ser computados. “Enquanto tocamos as obras de nossa fábrica própria em Guaíba vamos seguir à risca com nosso cronograma de produção de nossos caminhões no Brasil nesta linha da Agrale que nos oferece condições técnicas perfeitas para a montagem, com alta qualidade de nossos produtos”, diz Hamacek.

A Foton levará quatro meses para os ajustes técnicos no espaço que abrigará a linha de montagem provisória de seus produtos e começará a produzir seus caminhões de 3.5, 10 e 13 toneladas já a partir de agosto deste ano. A expectativa é que, no segundo semestre, as revendas da marca já comecem a vender caminhões com 65% de nacionalização. “Com isso teremos acesso ao Finame e, certamente, no ano que vem, quando vamos inaugurar nossa fábrica própria em Guaíba, este índice estará muito próximo aos 70%”, diz Hamacek.

Com o mercado reduzido à metade do que era no início desta década, a Agrale só tem mesmo a comemorar o negócio fechado com a Foton. “Fomos pioneiros, em 1997, como sistemista integral da indústria automobilística nacional, quando iniciamos a montagem dos caminhões médios e pesados da International, uma parceria de 15 anos de muito sucesso”, destaca Hugo Zattera, diretor-presidente da Agrale. “Agora, essa excelência como montadora de veículos é destacada novamente pela escolha da Foton”, complementa o executivo.

O acordo permitirá que a Agrale utilize melhor os seus ativos e que a Foton abrevie os prazos de nacionalização de sua linha de veículos. Para o atendimento à Foton, a Agrale já dispõe de instalações adequadas, visto que sua unidade 2 monta os caminhões Agrale das Linhas A, S e LX, além de chassis de ônibus e utilitários 4x4 Agrale Marruá.

 
LEIA TAMBÉM