Parceria sueca

 

Desde 2008 a Volvo trabalha no Brasil um sistema de gestão de tráfego de ônibus urbano que funciona muito bem em sua terra natal, na Suécia mas que, para ser perfeito no Brasil, o software precisaria passar por uma tropicalização mais profunda. Coisa que, segundo a própria Volvo, seu parceiro sueco desenvolvedor de software não se mostrou muito disposto a fazer. Demorou seis anos até que a Ericsson, também sueca, e boa conhecedora do mercado brasileiro, topou fazer o serviço e transformar o produto orientado para o mercado nórdico em algo aplicável para atender as peculiaridades do mercado nacional.


Usuários utilizando o sistema

Depois de uma série de adaptações, deu certo e funciona. O software tropical, como na vesão sueca, vem sendo aplicado em empresa de ônibus, mas suas funcionalidades permitem que seja usado com eficiência em todos os demais modais para transporte de passageiros. “Não é um simples sistema de monitoramento da frota, como já há em operação em algumas empresas. Este novo sistema agrega inteligência à gestão da frota em tempo real, permitindo uma tomada de decisões com eficácia e de forma embasada, garantindo a precisão das informações oferecidas aos passageiros”, afirma Vinícius Gaensly, responsável pela área de telemática da Volvo Bus Latin America.

De acordo com Gaesnly, o sistema da Volvo e da Ericsson, batizado de ITS4Mobility América Latina, não tem paralelo no mercado nacional. ”Este sistema permite um refinamento da gestão da frota onde é possível, por exemplo, monitorar cada veículo da frota ponto a ponto”. O sistema acompanha a circulação da frota em tempo real, indicando se os ônibus estão circulando de acordo com o planejado, com a frequência adequada, cumprindo os horários planejados e mantendo a rota previamente definida. São informações que apontam ao gestor possíveis desvios, ajudam a identificar pontos críticos da operação e permitem o replanejamento da operação, ganhando eficiência e redução de custos.


Leomar Avelino

O ITS4Mobility permite a conectividade de 100% dos veículos de forma estável. E o sistema, por ser preciso, e em tempo real, 24 horas por dia, permite que a empresa possa oferecer informações confiáveis a seus usuários como, por exemplo, o tempo que um veículo vai levar para chegar a determinado ponto e, inclusive, onde o ônibus está no exato momento em que se fizer a consulta. “Estudo recente feito no Brasil pelo Ericsson ConsumerLab mostra que os usuários querem informações mais atualizadas e interativas sobre o seu trajeto. Eles pedem para estar ‘sempre conectados’ e ter acesso a aplicativos para auxiliá-los a planejar suas viagens com maior facilidade. Esse sistema vai de encontro com as reais necessidades e demandas dos usuários”, afirma Jo Arne Lindstad, vice-presidente de Indústrias e Sociedade da Ericsson América Latina.

Luis Carlos Pimenta, presidente da Volvo Bus Latin America, com sua aguçada visão comercial, tratou de oferecer o serviço, como teste, para o Consórcio Rmtc (Rede Metropolitana de Transportes Coletivos), de Goiânia, GO. O sistema foi implementado em 2009, época em que ainda não tinha sido tropicalizado, mas, mesmo assim, funcionou razoavelmente bem. ”Poderia ter funcionado melhor, mas mesmo precisando de ajustes e adaptações para o mercado local, se mostrou muito mais eficiente do que qualquer outro sistema disponível à época”, diz Pimenta.


Luis Pimenta

Segundo Leomar Avelino, diretor geral do Consórcio Rmtc, a ativação do sistema de gestão efetiva da frota, oferecido pela Volvo, permitiu um ganho de 20% na pontualidade dos ônibus urbanos do consórcio goiano. ”Saímos de 61% de pontualidade e chegamos a 76%, mesmo considerando uma piora, nos últimos anos, no trânsito urbano em Goiânia o que, com toda certeza, compromete muito nossa busca por pontualidade”. O Consórcio Rmtc faz a gestão de 283 linhas atendidas por 1.467 ônibus padrão, administra 21 terminais (que foram modernizados) e suporta 18 municípios ligados à capital com uma movimentação média de 2 milhões de pessoas. Avelino diz que não há nenhum ônibus Volvo nas frotas das cinco empresas que compõem o consórcio Rmtc mas que, como boa parte dos veículos ativos estão com idade média em torno de seis anos, já está na hora de de fazer a renovação. ”O consórcio não determina qual marca de veículo cada empresa deve comprar, mas certamente vamos apreciar com mais carinho os ônibus Volvo”, comenta Avelino.

Claro que o presidente da Volvo Bus Latin America sabe que Goiânia é um grande potencial para os veículos da marca, particularmente agora que novos corredores estão em fase de finalização e há forte movimento para a demarcação de faixas exclusivas de ônibus. ”Uma infraestrutura melhor nas vias, privilegiando a fluidez dos ônibus, vai contribuir para maior pontualidade e, com certeza, favorecer muito os produtos da Volvo”, comenta Avelino. De acordo com Pimenta, o exemplo bem sucedido de aplicação do sistema no consórcio goiano já chamou a atenção de outros dois grandes consórcios de capitais do Brasil. ”Estamos agora em fase de demonstração de resultados para os interessados”. O sistema ITS-4Mobility América Latina pode ser modulado, com diferentes pacotes de informações, de acordo com sua necessidade de gestão e operação do sistema. Além disso, é compatível com ônibus de qualquer marca, trens de superfície, VLT e barcos.

 
LEIA TAMBÉM