Tecnologia das cores

 

A Scania mostra, na prática, que os momentos de crise são mesmo a melhor hora para arrumar a casa e melhorar a eficiência. A empresa investiu recentemente 96 milhões de reais em sua nova fábrica de pinturas de cabinas, que fica ao lado da já moderna unidade de pintura a prime. Com a nova linha, que ganha espaço exclusivo, a fabricante sueca pode ofertar 140 diferentes cores para seus caminhões.

Mais eficiente e automatizada que a linha de pintura que funcionava anexa à linha de montagem, a nova fábrica foi inspirada nas unidades da empresa da Suécia e Holanda. A eficiência da fábrica é garantida pela automação de processos como a implantação de sistema de transporte de peças e de plataformas elevatórias, medidas que também resultam em maior ergonomia aos colaboradores. A pintura é automatizada, evitando perdas expressivas de material.

“Do ponto de vista de impactos ao meio ambiente, usaremos aproximadamente 40% menos tinta do que usávamos no processo atual, pois com o avanço das tecnologias de aplicação automática e manual a eficiência do processo foi incrementada”, diz Per-Olov Svedlund, presidente e CEO da Scania Latin America.

Segundo Svedlund, na nova fábrica, os dois robôs que fazem a aplicação da pintura foram fornecidos pela empresa Du?rr. A antiga linha será desativada quando a nova fábrica, que não exigiu novas contratações, alcançar plena atividade. “Acreditamos que em meados de outubro deste ano”, diz o presidente.

A nova fábrica terá mais postos de pintura com a capacidade de produzir um volume superior a 30% com relação a antiga linha. “Um exemplo prático dos ganhos que teremos é a agilidade em processos mais demorados como a pintura de cabinas de cor metálica, já que estas têm que receber a cor base e a aplicação do verniz. No processo anterior, a pintura metálica impactava no processo, situação que não acontece no processo da nova fábrica”.


Pier-Olov Svedlud, CEO da Scania, montadora vai usar40% menos tinta do que no processo antigo

Com o novo processo, a Scania pode criar diferentes cenários por meio da regulagem na intensidade de iluminação em cada uma das 400 luminárias que constituem o túnel. Essas alterações são feitas via software, o que possibilita a troca dos cenários automaticamente entre si, de acordo com o timer da produção. Para cada tipo de verificação existe um cenário específico, o que favorece a qualidade e o trabalho padronizado.

A unidade brasileira foi a primeira a utilizar iluminação LED programável controlada por sistema de automação na área de qualidade de pintura.

A empresa que forneceu a tecnologia LED ajustável foi a Phillips que premiou a Scania em reconhecimento ao pioneirismo do projeto. A vida útil da lâmpada é de 50 mil horas, enquanto a duração da tradicional é de 8 mil horas. Este processo não existe em nenhuma outra unidade da Scania no mundo.

 
LEIA TAMBÉM