Prevenção é lucro

 

Enquanto a maioria dos frotistas optou por tirar o pé do acelerador com relação à aquisição de novos caminhões, o mesmo não se pode dizer com relação aos cuidados que as empresas dispensam aos seus veículos, os principais bens de capital formado por um universo de mais de 1 milhão de transportadores em todo o País.

“Diante do cenário atual, a manutenção do volume de serviços e contratos se mostra bastante positiva”, diz Sérgio Beraldo, gerente executivo de Pós-Vendas da MAN.

Entre as montadoras, não é unânime um crescimento intenso por serviços, mas algumas marcas, em um ano de vacas magras o departamento de vendas de veículos, investem com força no pós-venda. De acordo com Reinaldo Serafim, gerente de pós venda da Volvo, um em cada dois veículos novos vendidos pela marca já sai da concessionária com algum tipo de plano de manutenção fechado no ato. “Temos bastante flexibilidade nos planos, opções para todos os bolsos, e nossas vendas de serviços vem crescendo nos últimos anos, inclusive neste ano de crise mais acirrada”. Serafim tem outra razão para manter o otimismo com os serviços: há uma frota circulante de 140 mil veículos da marca com até dez anos de uso “e quando não há renovação da frota, é inevitável que os caminhões usados passem por manutenção mais criteriosa”.


Com veículos ociosos nos pátios, transportadores têm planejado melhor as manutenções.

“Nossos caminhões oferecem alto índice de tecnologia embarcada e, normalmente, nossos clientes buscam serviços especializados em nossa rede de concessionárias”, conta o executivo. A Volvo contabiliza cerca de 56 mil contratos ativos, 94 revendas e, está nos planos, a abertura de mais três novas concessionárias anfabio tes do final deste ano. “A procura por planos de manutenção em 2015 aumentou 78% se comparado com o mesmo período de 2014”, enfatiza Marcus Souza, responsável pelos planos de manutenção da Iveco.


Marco Barreiros, diretor de Cliente, Qualidade e Serviço da Renault.

Para Souza, a razão do aumento é estratégica: “No atual cenário econômico, o frotista tem repensado o seu modelo de renovação de frota. Para que essa estratégia não resulte em aumento do custo operacional e indisponibilidade dos caminhões, é necessário aprimorar a gestão da manutenção.

Percebendo isso, os nossos clientes têm buscado cada vez mais qualidade, mão de obra especializada, peças genuínas e suporte da fábrica”. Sem revelar números, a MAN comenta que, mesmo não havendo aumento de demanda, a queda nos serviços de pós-venda não foi tão significativa quanto a que foi registrada nas vendas totais de caminhões (que já chega a 50% em 2015): “A diminuição do volume de serviços tem sido bem menor que a de vendas de produtos novos. Diante do cenário atual, essa manutenção do volume de serviços e contratos já se mostra bastante positiva”, diz Sérgio Beraldo, gerente executivo de Pós-Vendas da MAN Latin America.


A procura por planos de manutenção da Iveco em 2015 aumentou 78% na comparação com o mesmo período de 2014.

Para a MAN, a própria dinâmica da economia ajuda a manter o pós-venda, por enquanto, no azul: “Muitos transportadores estão com veículos ociosos nos pátios, com uma menor exigência na operação e, por isso, há como planejar melhor as manutenções fazendo que com o nosso atendimento de pós-venda consiga manter um nível de atendimento estável”, analisa Beraldo.

E não pense que o perfil dos clientes limita-se somente a grandes frotistas. Para permitir grande flexibilidade e atender tanto pequenos como grandes frotistas, a Scania possui cinco modalidades modalidades para seu Plano de Manutenção: Premium, Mais, Trem de Força, Standart e Compacto. Pela ordem, o primeiro oferece o mais amplo espectro de atendimento e, o último, assegura um programa mais básico, normalmente indicado para autônomos.

“A Scania também possui em seu portfólio o Scania Serviços Dedicados. Trata-se do atendimento na estrutura do próprio cliente, que torna a operação muito mais ágil e rentável. Para isso, a concessionária Scania local monta sua instalação para o trabalho personalizado com uma equipe altamente qualificada. Os núcleos das garagens da Auto Viação 1001 (SP), do Grupo JCA, e da MobiBrasil, no Recife, são exemplos de sucesso”, comenta Pietro Nistico Neto, gerente de vendas de peças e serviços da Scania no Brasil.

Os diversos perfis também exigem planos diferenciados. “Estamos fazendo acordos individuais com os grandes frotistas para garantir a qualidade do serviço de manutenção e que os carros estejam com as manutenções conforme preconizamos. Nesta época de crise, os transportadores buscam qualidade e preço mais ajustados para o seu negócio”, conta Marco Barreiros, diretor de Cliente, Qualidade e Serviço da Renaul

 
LEIA TAMBÉM