Motores inteligentes

 

Por Rinaldo Machado

rinaldo@transpodata.com.br

Próxima de completar 100 anos de fundação e 45 anos de Brasil, a Cummins continua investindo pesado em seu negócio atual e, apesar da crise, apresenta uma série de soluções que visam à redução do custo operacional e enfatiza que a eletrificação faz parte da sua estratégia para a expansão de seus negócios.

Luis Pasquotto, presidente da Cummins Brasil e vice-presidente da Cummins Inc., mostra-se otimista em relação ao futuro no Brasil. Acredita que o mercado de caminhões encerre o ano entre 50 mil e 60 mil unidades e projeta um crescimento de 28% na produção de motores da Cummins Brasil em relação a 2016: “A crise nos obrigou a racionar absolutamente tudo, desde nossas instalações, os espaços internos, a logística e o transporte até os custos com material e energia. Contudo, continuamos investindo em nossas pessoas, em desenvolvimento, no clima organizacional, e o resultado foi um crescimento no market share de 31% para truck e de 15% para ônibus”, diz Pasquotto.

Cummins apresenta ao setor novas tecnologias para motorização diesel, como o ISF 2.8, com tecnologia EGR e turbo de geometria variável, o ISB 6.7 com 20 cavalos de potência a mais e a motorização ISG 12, um motor de 12 litros com 510 cv e 2.305 Nm, em fase de teste com as montadoras. Outras novidades que os visitantes verão na Fenatran são as “soluções Cummins”, que trazem redução de custo operacional; como o Telematics, sistema que monitora as condições do motor via sinal de internet, possibilitando o acompanhamento da frota ou de apenas um caminhão.
Mais do que a possibilidade de melhorar o intervalo de manutenção, ter redução de consumo e realizar manutenções preditivas, destaca-se o acompanhamento da condução do motorista para educá-los, evitando maiores desgastes.

Outro sistema, o Over The Air, permite executar atualizações de software com o motor em operação. Ele oferece redução de custos, uma vez que elimina o tempo de inatividade enquanto melhora a confiabilidade e o desempenho do motor. Já o Fleetguar FIT é uma plataforma que monitora as condições dos filtros do caminhão e permite ao usuário acompanhar e receber informações sobre o intervalo de troca. Por fim, há o Adept, uma ferramenta eletrônica para veículos com câmbio automatizado que verifica automaticamente as condições de aceleração, monitorando em tempo real o desempenho do motor.

Futuro

Para a empresa, a diversificação energética é fundamental para oferecer valor aos negócios e contribuir com um futuro sustentável. Recentemente, a empresa apresentou um inédito protótipo de caminhão pesado elétrico, o Aeos, um cavalo mecânico 4x2, com peso bruto total (PBT) de 33,7 toneladas e autonomia de até 482 km com uma única carga.

Protótipo do Aeos: caminhões movidos a eletricidad e já são realidade.

“As indústrias, os mercados e as tecnologias continuarão evoluindo e, por isso, temos o dever de desenvolver continuamente soluções que incluem combustíveis alternativos e powertrains elétricos. Investimos anualmente US$ 700 milhões em âmbito global na exploração de novas soluções de energia e produtos. Temos fortes parceiros no Brasil, como Agrale, Ford e MAN, e, seja qual for a tendência, estaremos prontos para trazer as soluções certas, no momento certo”, afirma Pasquotto.

 
LEIA TAMBÉM