Citröen vem com tudo

 

É um segmento de entregas urbanas onde atuam grandes, médios e pequenos frotistas, além de muitos autônomos. Um negócio em expansão por conta do e-commerce e, sobretudo, em função da alta demanda por logística urbana de pequenas empresas, que começaram a surgir na mesma proporção acelerada que bons empregos foram desaparecendo no País por causa da crise.

Milhares de novas empresas foram abertas nos últimos quatro anos. Mais da metade delas são pequenos comércios que precisam receber e entregar mercadorias pelas grandes cidades. Essas novas empresas são geridas por empreendedores oriundos de bons empregos. Gente mais preparada, mais exigente e que sabe que o sucesso de seu negócio depende de uma gestão eficiente.

Uso inteligente do compartimento de carga torna o veículo mais flexível para cargas urbanas.

É nesse público que Mercedes- Benz e agora Citroën e Peugeot estão de olho. A Vito, da Mercedes-Benz, veículo com o qual a Jumpy vai concorrer diretamente, custa perto de 105 mil reais a versão de entrada. Para fazer pressão, a Citroën posicionou seu comercial leve mais barato, na faixa de 80 mil reais. Certamente não vai ser muito diferente, no quesito preço, de outro novo concorrente (veja matéria na página 54), o Express da Peugeot, que também foi lançado agora. Afinal, embora com estratégias distintas, Citroën e Peugeot, além de francesas, são filhas da mesma mãe, a PSA. Tanto Jumpy quanto Express já estão sendo produzidas no Uruguai.

Mas se você está pensando em comprar o veículo por conta do preço convidativo, aproveite agora. Este é um valor promocional. A Citroën não diz até quando vai durar, mas garante que o preço está abaixo do que “seria o ideal”, de acordo com Coutinho.

A Jumpy terá três anos de garantia, e os executivos da montadora apostam não só no preço mais competitivo, mas muito nos serviços oferecidos por sua rede com boa capilaridade em todo o País. “Já preparamos 20 revendas nas capitais que terão espaço exclusivo nas oficinas para atenderem às Jumpy e também vendedores especializados para atender aos nossos clientes, diz Coutinho, reforçando que a Citroën entende bem que vender vans não tem nenhuma similaridade com vender carros de passeio. “O primeiro prima pela razão, o segundo, pela emoção.”

A Jumpy faz sua estreia no Brasil com boas credenciais. De acordo com a montadora, são mais de 600 mil unidades comercializadas em todo o mundo e vários prêmios conquistados, como o Irish Van of the Year 2017, o prestigiado What Van? Awards 2017, o dinamarquês Arets Varebil 2017 e os franceses Trophées Argus 2017 e Trophées de l’Automobile & l’Entreprise 2017.

A nova van da marca chega em duas versões de acabamento (a mais sofisticada vai custar 88 mil reais). E o plano de pós-venda, essencial para os frotistas que atuam nesse segmento, é bem arrojado. A empresa está disposta a enfrentar a concorrência também buscando oferecer serviços diferenciados e mais ousados. O Compromisso Citroën Pro, por exemplo, além de garantir peça em qualquer lugar onde o veículo seja vendido em menos de 24 horas, oferece um carro ao cliente que, por alguma razão, tenha que ficar por mais de quatro dias com seu veículo na oficina.

 
LEIA TAMBÉM