Agora sim MADE IN BRAZIL

 

A Foton Caminhões resolveu não esperar mais. Com gestão inteiramente nacional, o empresário Luiz Carlos Mendonça de Barros, que também é o CEO da marca no Brasil, foi o único, da leva de empreendedores que queriam entrar no país com caminhões chineses, a aguentar firme a prolongada crise e manter a palavra de desbravar o mercado brasileiro produzindo localmente. A equipe liderada pelo abnegado Mendonça de Barros negociou terreno em Guaíba, RS, começou as obras, mas resolveu no meio do caminho acelerar o projeto de produção nacional alugando uma linha de montagem ociosa, e pronta para operar, da fábrica da Agrale, em Caxias do Sul, RS.

A partir de meados de agosto duas novas famílias de caminhões leves, inteiramente adaptados pela engenharia local para o mercado brasileiro, já estarão disponíveis para venda nas 23 revendas autorizadas da marca. São três modelos, dois de 3,5 toneladas (orientados para logística urbana) e um de 10 toneladas (este mais indicado para transporte de média distância). A Foton batizou os leves de 3,5 toneladas de Minitruck e o modelo de 10 toneladas de Citytruck.

Diferente dos modelos até agora exclusivamente importados, os novos caminhões foram desenvolvidos pela engenharia brasileira da Foton Caminhões em cooperação com a engenharia da Foton chinesa. Além disso, de acordo com Mendonça de Barros, “os novos modelos contam com elevado índice de componentes nacionais, habilitando o modelo de maior capacidade para os financiamentos via Finame”.

Desde que decidiu atuar no mercado brasileiro, em 2011, inicialmente importando modelos de sua fábrica na China, a Foton Caminhões manteve sua estratégia de atuar prioritariamente no segmento de veículos leves que vai de 3,5 a 10 toneladas. “Conhecendo bem o mercado nacional, tomamos esta decisão porque enxergamos neste segmento grande potencial para a entrada de novos produtos”, diz Mendonça de Barros.

O segmento de leves tradicionalmente responde por cerca de 25% dos emplacamentos de caminhões no Brasil e, durante os dois anos de retração do mercado interno, entre 2015 e 2016, foi o segmento que menos encolheu. “Setores menos afetados com a crise, como o E-Commerce, além da ampliação das áreas de restrições a caminhões de porte maior nos grandes centros urbanos, foram fatores que contribuíram para este segmento ser menos afetado pelo encolhimento econômico”, diz Mendonça de Barros.

De acordo com Leandro Gedanken, diretor de engenharia da Foton Caminhões, as famílias Minitruck e Citytruck introduzem no Brasil o conceito de caminhões leves com características de robustez e conforto dos caminhões pesados. “Entendemos que estas características serão um forte diferencial a favor de nossos caminhões”, diz Gedanken.

Além disso, a marca também cria um novo sub segmento, o de mini caminhões - Minitrucks – veículos robustos e com configurações adequadas para atender as demandas do transporte urbano. Em linha com Gedanken, o gerente de engenharia da Foton, Eustáquio Sirolli, diz que, com o Foton Citytruck 10-16, a empresa criou o caminhão leve com a maior capacidade de carga útil e a maior capacidade de carga no eixo dianteiro do País: 3.600 kg. “Estas características devem facilitar as implementações de caminhões de bebidas. Além disso, sua capacidade técnica, com 10.700 Kg, torna-o o caminhão leve com maior capacidade deste segmento”, afirma Sirolli.

A Foton Caminhões, desde quando começou a importar os leves da China, vem destacando um ponto que é muito favorável para a marca: o fato dos caminhões serem oferecidos, de série, com diversos itens de conforto. De acordo com Sirolli, os novos modelos mantiveram esta característica. “Tanto os Minitruck 3.5-12 DT e 3.5-14 ST/ DT como o Citytruck 10-16 chegam para estabelecer um novo patamar dos veículos Premium para a distribuição urbana de carga, VUC e transportes de curta e média distância”. De acordo com o executivo, os transportadores de carga e autônomos poderão agora contar com veículos que oferecem de fato algo a mais: caminhões para obter maior produtividade nas operações, que entregam conforto, economia de combustível, potência, robustez e maior capacidade de carga.

 
LEIA TAMBÉM