Iveco enconsta na Volks

 

O mercado de ônibus está tão ruim quanto o de caminhões. A diferença é que, para os coletivos, ainda não apareceu qualquer sinal de retomada. Se no ano passado as vendas foram ruins, com queda de 30% em relação a 2015, neste ano as coisas andam piores, com queda de 20% comparadas com 2016. As vendas voltaram aos níveis do início da década passada com cerca de mil unidades por mês.


No segmento acima de cinco toneladas Iveco dobrou sua participação no mercado nacional.

Mas mesmo com a forte queda no mercado, uma montadora surpreendeu: a Iveco. A marca, que tem divisão voltada exclusivamente para o mercado de ônibus chamada Iveco Bus, começou a lidar com coletivos recentemente, em 2011 e, neste ano, focando principalmente nos veículos urbanos de pequeno e médio porte, atingiu 11,19% de participação no mercado no acumulado de janeiro a abril, ficando na terceira posição, atrás da líder Mercedes-Benz, que tem 57,63%, e da Volkswagen, com 13,92% no período.

No mês de abril, contudo, com 148 unidades comercializadas, a Iveco saltou para a segunda posição com 13,94%, superando a Volkswagen pela segunda vez neste ano que, no mês, ficou com 9,70% de share e 103 ônibus emplacados. É improvável que a Iveco assuma a segunda posição neste ano, mas o simples fato de estar colada em sua principal concorrente já é um sinal interessante da aceitação dos veículos italianos no mercado nacional de ônibus.


Gustavo Serizawa, gerente de Marketing da Iveco Bus.

Quando a Iveco entrou no mercado, em 2011, muitos analistas torceram o nariz alegando que os frotistas de ônibus raramente iriam fazer experimentações com veículos de outras marcas diferentes das tradicionais Mercedes-Benz, Volkswagen, Scania e Volvo. Não acertaram. A Iveco buscou nixos, acertou a mão com os micro-ônibus e vem crescendo ano a ano.

Para Humberto Spinetti, Diretor de Negócios da Iveco Bus para a América Latina, a marca continua investindo para proporcionar produtos e serviços de qualidade. “Enquanto o mercado de veículos M3 (veículos acima de cinco toneladas) caiu 30%, a Iveco Bus cresceu e apresentou lançamentos importantes, como o SoulClass.”

No segmento rodoviário, também dominado pela Mercedes-Benz, a Iveco tem em seu chassi 170S28, o carro-chefe. De acordo com Spinetti, “este modelo apresenta ótimos resultados nos clientes, principalmente no quesito consumo de combustível”.

O executivo diz que bons negócios foram realizados neste ano para o segmentos de turismo e, inclusive, fretamento, atividade que encolheu em função da diminuição do emprego no País. Spinetti menciona a Viação Jauense, de Jaú, SP, que acabou de fechar negócio para aquisição de sete rodoviários Iveco encarroçados pela Caio e que serão utilizados no fretamento.


Nicho escolar: crescimento acima do esperado

No segmento mais competitivo deste mercado, que são os ônibus acima de cinco toneladas, a Iveco realmente deu um salto surpreendente do ano passado para este. A marca italiana fechou 2016 com 6,58% de participação no mercado e, neste ano, mais do que dobrou este percentual, atingindo perto de 14% no mês de abril. Gustavo Serizawa, gerente de Marketing da Iveco Bus para a América Latina diz que “a despeito da crise, este é nosso melhor ano no mercado nacional”.

Serizawa afirma que aproveitou a retração do mercado para estreitar relação com os clientes e fazer demonstrações dos produtos. “Os frotistas estão mais abertos a buscar novas alternativas que podem oferecer maior rentabilidade e, neste aspecto, estamos aproveitando todas as oportunidades do mercado”.

A Iveco Bus produz por aqui vans, micro-ônibus e mini-ônibus, além de chassis urbanos, rurais e rodoviários. A linha de produtos é composta pelos seguintes modelos: Daily Minibus, Daily Elevittá, Vetrato, Chassi 70C17, CityClass, WayClass, SoulClass, GranClass, SeniorClass, Chassi 150S21 e Chassi 170S28. De acordo com Serizawa, toda rede da marca comercializa os ônibus Iveco. Atualmente a Iveco conta com 71 concessionárias no País.

 
LEIA TAMBÉM