Nas mãos de especialistas

 

Ao direcionar seus recursos em contratos de manutenção, empresários têm conseguido manter a excelência de seus serviços e um bom desempenho (leia-se: não ficar no vermelho) na planilha de custos. Considerando o atual momento de crise econômica, com vendas de caminhões no nível mais baixo da década, montadoras e concessionárias se unem parar mostrar aos frotistas que fazer uma espécie de plano de saúde para os caminhões da frota pode ser muito mais vantajoso do que manter oficinas próprias ou deixar para fazer as manutenções apenas quando a situação já tenha ficado crítica.

Os contratos de manutenção vêm crescendo no Brasil. É uma tendência. Conheça as variedades de planos de manutenção oferecidos pelas principais montadoras de caminhões que atuam no mercado brasileiro.

DAF

Com contratos cuja validade vão de um a cinco anos, a DAF não divulga quantos contratos possui, porém não esconde que a procura vem aumentando. “Os contratos de manutenção são uma ótima solução para o frotista que não quer ter gastos desnecessários com o caminhão”, comenta Marlon Maues, gerente de Pós-Venda.

A empresa oferece três pacotes, que são ajustados de acordo com a necessidade da operação da frota do cliente, e sempre com um valor mensal por quilômetro rodado. As opções são muitas, por isso há valor fixo baseado na severidade da operação do cliente, e outros valores diferenciados que podem incluir diagnóstico e check-list detalhado do caminhão além das revisões anuais, trocas de óleo da transmissão e diferencial.

Ford

O Ford Service possui três planos de manutenção: Class, Plus e Prime. O Class inclui itens de manutenção preventiva, como fi ltros, óleos e fl uídos. O Plus contempla todos os itens de manutenção preventiva e adiciona o reparo de peças de desgaste natural, como embreagem, lonas de freio, bateria e lâmpadas.

E o Prime contempla todos esses serviços mais reparos de manutenção corretiva. “Apesar da situação econômica no País, o serviço tem aumentado. Vale ressaltar que o contrato de manutenção direto com a montadora é a garantia de uso de peças originais, o que garante uma vida útil maior do caminhão”, fala Wilson Vasconcellos, gerente de Serviço ao Cliente da Ford Caminhões, que adianta uma novidade aos leitores de Transpodata: “Em 2017, ampliaremos a oferta do Ford Service também para caminhões usados”.

Iveco

Com mais de 2.000 planos de manutenção em vigor, a Iveco segue fi rme na sua expansão de negócios. “Oferecemos cobertura em todo território nacional, e o serviço é executado de forma rápida e sem burocracia de cadastro ou aprovação de crédito. Outro ponto importante sob a perspectiva do cliente é com relação à desmobilização de estrutura (ofi cina, mecânicos, estoque de peças e treinamentos)”, explica Guilherme Silveira, coordenador de contratos da empresa.

“Ao fi nal do contrato, encaminhamos ao nosso cliente um certifi cado assinado pela Iveco que comprova que durante o período contratado o caminhão teve todas as manutenções realizadas pela rede de concessionárias autorizadas. Como prática de mercado, um veículo com histórico de procedência pode ter seu valor de revenda acrescido de 10% a 15%”, aponta Silveira.

MAN

“Aproximadamente 10% dos veículos saem com contrato de manutenção. Já temos clientes com mais de 1.000 unidades, todas com esse serviço. Hoje, o volume total de contratos ultrapassam 15 mil unidades. O importante é ver que grandes frotistas estão cada vez mais utilizando essa opção”, revela Antonio Cammarosano, diretor de Vendas de Caminhões - Mercado Nacional da MAN Latin America.

Mercedes-Benz

Neste ano, a novidade da marca da estrela foi oferecer novos modelos de Planos de Manutenção de fábrica. Agora, são quatro opções disponíveis (BestBasic, Select, Select Plus e Complete), que permitem várias composições de serviços, envolvendo manutenções preventivas, reparos, troca de itens de desgaste e socorro mecânico. “A cobertura dos Planos de Manutenção Mercedes-Benz está mais abrangente”, afi rma Silvio Renan, diretor de Peças e Serviços ao Cliente. De acordo com o executivo, há um aumento de demanda no mercado pelos Planos de Manutenção. “Como os veículos estão cada vez mais modernos, trazendo sempre novas tecnologias, temos que oferecer aos nossos clientes serviços que os apoiem para que os clientes tenham o máximo de seu caminhão e ônibus também na hora da manutenção”, diz Renan.

Scania

“Vale a pena lembrar, e faço questão disso, que a Scania, de forma pioneira, lançou o conceito e fechou os primeiros “acordos de manutenção” em 1994. Ao t do, já foram comercializados 49.000 programas”, destaca Fabio Souza, diretor de Serviços da fabricante no Brasil.

Hoje, a marca oferece ao mercado cinco categorias de contratos: Premium (Todas as revisões necessárias para o veículo e também todas as manutenções corretivas decorrentes de desgaste natural), Mais (Revisões e mão de obra das manutenções corretivas decorrentes de desgaste natural), Trem de Força (Todas as revisões e manutenções corretivas das partes internas do motor e caixa de câmbio), Standard (revisões previstas, e trocas de óleo, fi ltros em geral e lubrifi cações específi cas) e Compacto (troca de óleo e fi ltro com mão de obra inclusa – e válido somente para veículos acima de 360 mil km de uso).

“O Premium representa hoje cerca de 30% de participação no portfólio Scania, e registrou em 2016 um crescimento de 11% na venda em comparação com 2015. A crise, pelo contrário, só fez fortalecer a venda dos programas. O programa de manutenção é um remédio perfeito para momentos de crise, pois ajuda o cliente a economizar, a controlar seus gastos e ter uma tranquilidade de custos mensais”, atesta Souza.

Volvo

“Hoje, 75% dos veículos vendidos já possuem algum tipo de contrato, o que reforça a importância da manutenção e também o profi ssionalismo dos transportadores brasileiros”, afi rma Carlos Banzzatto, gerente de pós-venda da Volvo. “Nosso principal modelo é o plano de manutenção Ouro, que contempla toda a manutenção preventiva e corretiva do veículo, que conta com o suporte do VOAR – Volvo Atendimento Rápido com uma central de atendimento 24 horas por dia”, aponta o executivo.

 
LEIA TAMBÉM