Bons ventos para a MAN

 

A economia cansou de esperar alguma reação do governo e começou a andar sozinha. Os sinais de recuperação aparecem no campo com mais força e, com alguma esperança, na indústria e no comércio. A MAN Latin America é uma das empresas que seguem apostando no mercado apenas torcendo para a política entrar nos eixos, mas que já deixou de lado, desde o ano passado, o compasso de espera para ver no que vai dar.

Roberto Cortes, CEO da MAN Latin America: “não vamos perder negócios”.

Roberto Cortes, presidente e CEO da MAN Latin America, vem conduzindo a empresa para ser mais vendedora e ativa no mercado. “Não vamos perder negócios” é seu grito de guerra e motivação à equipe. As campanhas se sucedem e, na mais recente, lançada no início de maio, a montadora oferece toda linha de caminhões com taxa de 0,99% ao mês no CDC em uma parceria com o Banco Volkswagen. A promoção vai até o final de junho. São três os grandes atrativos desta ação: juros de 0,99% ao mês para financiamento até 48 meses, os TGX comprados terão wi-fi gratuito por um ano e a garantia da fábrica de uma valorização acima da média do mercado no usado que servir de entrada no negócio.

Bom de vendas, Cortes, pessoalmente, foi a campo junto com seu vice-presidente de vendas e marketing, Ricardo Alouche. Ainda não deu para recuperar a liderança da Mercedes-Benz, que disparou na frente neste ano, mas o foco nos veículos sob medida e a disposição de fazer vendas diretas para os clientes começam a dar resultados.

No primeiro grande negócio fechado, a MAN acertou a venda de 100 caminhões VW Constellation Titan Tractor para a gigante Braspress. Cortes fez questão de fazer a entrega oficial para Urubatan Helou, presidente da transportadora, uma das maiores do Brasil com frota própria de mais de dois mil veículos.

De acordo com Alouche, o negócio com a Braspress exigiu uma parte de usados de outras marcas como entrada e o restante foi financiado via Finame. Para Cortes, essa supervenda é o resultado da estratégia da MAN em oferecer ao mercado “veículos vocacionais que atendem especificamente a demanda de nossos clientes”.

O CEO da MAN Latin America disse que neste ano as vendas ainda estão aquém do crescimento projetado “porém, no dia a dia, já é possível notar reação positiva o que nos motiva a manter nossa projeção de um crescimento de 10% nas vendas de caminhões neste ano em comparação com o ano passado”.

Pista de teste

Além dos bons negócios, Cortes realizou antigo sonho acalentado há duas décadas: inaugurou oficialmente a pista de teste na planta de Resende, RJ. Com investimentos de 10 milhões de reais, uma área de 35.500 metros quadrados abriga agora uma pista em forma ovalada com 800 metros de extensão e projetada para oferecer 26 diferentes condições de rodagem que simulam praticamente tudo que é possível se encontrar nos tortuosos caminhos brasileiros.

Tem pista boa, subidas diversas, buracos terríveis, terra batida, lama, grama, lombadas, pavimentos de paralelepípedo, asfalto, pedras e concreto, além de situações extremas para a engenharia testar de maneira radical todos os componentes. De acordo com a engenharia da MAN, nesta pista é possível simular, de maneira controlada e segura, em apenas um quilômetro, o que seria necessário fazer em 50 quilômetros em campo. Além disso esta é a única pista da América Latina com certificação internacional ISO 10.844 para homologar veículos quanto ao nível de ruído externo. “Temos uma frota com mais de cem caminhões e ônibus Volkswagen e MAN em testes por todo o País. A cada mês, rodamos cerca de 300 mil quilômetros. O novo campo de provas chega para dar ainda mais eficiência a esse trabalho e integra os recursos financeiros que aplicamos continuamente no país”, diz Cortes.

A montadora aproveitou o momento para antecipar para este primeiro semestre a linha 2018 do MAN TGX que ganha basicamente itens de beleza tanto na parte externa como interna da cabina. O caminhão Premium da marca chega com novo sistema de iluminação para atender a legislação atual e a grade foi reforçada. Na parte interna, o volante tem novo visual e todo o interior revestido com cores mais claras em tom marfim.

VW 13.160, o médio equipado com caixa automatizada ZF de seis velocidades.

Inovação Nos Médios

Mas a grande surpresa ficou propositalmente sem muitos holofotes. Já está em teste no atacadista Martins, o maior do País, com sede em Uberlândia, MG, o VW 13.160 Delivery, um veículo ainda protótipo equipado com a caixa automatizada ZF 6AS 1010 BO V-Tronic de seis velocidade mais uma para ré.


Acima, painel em tom marfim traz mais sobriedade e elegância. Ao lado, novo visual do volante, mais funcional e esportivo e, abaixo, a nova cara do TGX , um Premium com personalidade.

É um caminhão médio, para nove toneladas, motor Cummins de 160 cv que, pela primeira vez no Brasil, é equipado com uma transmissão automatizada. De acordo com a engenharia da MAN, o caminhão está em fase de teste no atacadista mineiro e, paralelamente, outro modelo semelhante em testes de campo e na nova pista da montadora. Não há consenso ainda sobre a data de seu lançamento mas, entre os executivos, já se fala que é possível que a novidade seja exposta na Fenatran, que acontecerá de 16 a 20 de outubro.

Embora seja altamente recomendável, pela natureza urbana de sua aplicação, a transmissão automatizada para veículos de menor porte ainda esbarra no fator preço em relação ao produto. Em caminhões pesados e semipesados, onde o preço da transmissão, em percentual, é menor, nos caminhões menores, com valores inferiores, este percentual cresce e torna o produto vistosamente mais caro que seus pares equipados com transmissões manuais.

O que a MAN acredita é que seja possível demonstrar, na prática, o quanto vale à pena investir mais em um veículo com transmissão automatizada, uma vez que o os benefícios financeiros são visíveis na economia de combustível que pode chegar a 7% por viagem. O Atacadista Martins, em breve, vai dar o veredito. E é certo que, neste segmento, a MAN vai sair na frente com um veículo mais moderno e eficiente.

 
LEIA TAMBÉM