Gestão inteligente e independente

 

O maior aliado do transportador que quer, de fato, não só sobreviver mas ter alguma chance de crescer neste mercado é a tecnologia. Não se trata apenas de ter uma frota com caminhões modernos e mais novos, é preciso, também, fazer uma gestão eficiente do transporte rodoviário de carga para, basicamente, ter exata noção de seus custos e saber fazer o orçamento correto do frete na hora de oferecer serviços de transporte.

É óbvio que sempre vai acontecer o odioso aviltamento do frete com aqueles que praticam valores bem abaixo do mercado, mas estes, a médio prazo, perdem a confiança e, no longo prazo, operando muitas vezes sem margem alguma, perdendo também condições mínimas para manter o próprio negócio saudável.

Para os profissionais, o caminho mais indicado para ser mais competitivo é se valer de verdade da alta tecnologia que já está disponível no mercado. Todas as montadoras sérias dispõem de bons sistemas próprios para gestão de frotas. São sistemas eficientes, com boa relação custo/benefício, alta confiabilidade mas que têm um único porém: cada sistema só dialoga com os caminhões de sua própria marca.

Os frotistas que operam com apenas uma marca de caminhão muitas vezes optam por fazer uso do sistema telemetria da montadora. Contudo, aqueles (a maioria) que operam com caminhões de diversas marcas, cria-se um problema para se gerir a frota usando-se, para cada modelo, um sistema diferente.

De acordo com Paulo Peres, gestor de frota do Grupo Cereal, um dos maiores processadores de soja da Região Centro-Oeste, que trabalha com frota própria de mais de 65 caminhões de diferente marcas, “é complicado usar os sistemas das montadoras quando a gente opera com veículos de marcas diferente, por isso optamos por padronizar toda nossa frota com o sistema Cielo”.

São diversas as empresas independentes que oferecem os mais variados serviços de telemetria no Brasil. Qualquer busca rápida no Google vai te apresentar uma infinidade delas. É preciso, contudo, atenção e cuidado para verificar aquelas que mais se aproximam das soluções eficientes oferecidas pelas montadoras de caminhões.

De acordo com Fernando Martins Rodrigues, gerente de processos de serviços da ZF Aftermarket, é importante que o sistema seja aberto e funcione perfeitamente bem em todas as marcas de caminhões. A ZF lançou no mercado brasileiro, no ano passado, a marca Openmatics, telemetria que vem sendo utilizada na Europa desde 2010.
“Um dos grandes pontos a favor do Openmatics é exatamente o fato de que ele é uma plataforma de telemática aberta, ou seja, que pode receber variados aplicativos de utilidade para o frotista, o que permite sua personalização, já que estes podem ser fornecidos de acordo com a necessidade e objetivo de cada cliente. Além disso, o Openmatics pode ser utilizado na gestão de frotas composta por veículos de diferentes marcas sem que haja qualquer diferença no seu funcionamento”, explica Rodrigues.

Os sistemas das montadoras são ativados mediante solicitação do frotista interessado. Via de regra, todos os caminhões produzidos a partir de 2012 já contam com o aparelho embutido. Os interessados só precisam entrar em contato na revenda e ver o plano mais interessante.

O valor cobrado é calculado por veículo e de acordo com cada aplicação. Já os independentes são vendidos no mercado e é preciso fazer a instalação do aparelho em cada caminhão e, também, é feito orçamento para a gestão da frota por veículo.

Um diferencial do Openmatics é que ele é uma ferramenta customizável. “O frotista tem a possibilidade de optar por adquirir aplicativos que podem atender da melhor forma sua necessidade colaborando para que ele atinja da forma mais eficaz suas metas”, diz Rodrigues. De acordo o executivo, outra vantagem da plataforma de telemetria aberta da ZF é o Driver Feedback, um indicador em tempo real com alertas visuais e sonoros ao motorista focado na maior eficiência na condução do veículo.

Quando você for pesquisar um sistema de gestão de frota, peça uma demonstração de ao menos um mês. Um bom sistema deve auxiliar na redução de consumo de combustível, fazer o rastreamento dos veículos, atuar como provedor Wi-Fi e multimídia, possuir inteligência embarcada, realizar diagnósticos e leitura do código de falhas à distância, além de poder ser utilizado em todas as marcas e tipos de veículos.

Como a ZF é uma fabricante global de transmissões, o Openmatics está sendo preparado para, futuramente, também interagir com outros produtos da marca, como as transmissões automáticas e automatizadas. A ZF Aftermarket desenvolveu também TAGs inteligentes que monitoram as cargas e conexões com tacógrafos digitais. “Com o “de TAGtive logistics” , a ZF possibilitou o controle de uma carga valiosa, por exemplo. O software documenta todos os detalhes dos transportes frágeis como, por exemplo, se a faixa de temperatura prescrita foi mantida ou se vibrações danificaram os produtos carregados”, explica Rodrigues.

Jornada de trabalho – Possivelmente a telemetria nos caminhões possa ser, no futuro, obrigatória. A tecnologia também é um importante aliado para efetivamente fazer valer a tão desrespeitada Lei do Descanso dos Motoristas. Transportadoras como Zandoná, Linde, Tic Transporte, Bom Futuro, Della Volpe e Transkuba, que precisam controlar rigorosamente a jornada de trabalho de seus motoristas, dizem usar as soluções da MiX Telematics, outra empresa que também atua no País e oferece sistema independente de gestão de frota.

 
LEIA TAMBÉM