Agora sim com design global

 

Por conta do mercado retraído é certo que até o final deste ano a nova geração da Sprinter conviva com a antiga no estoque das quase 200 concessionárias Mercedes -Benz espalhadas pelo Brasil. A oportunidade pode ser até boa para comprar o modelo 2016 cujo trem-de-força (motor e câmbio) não passou por qualquer alteração e, de cara, estará, em média, 5% mais barato.

O motor OM 651 LA que, dependendo do modelo, entrega 129 cv ou 146 cv, tecnicamente tem muito fôlego para não precisar de radicais alterações. É um bom produto: econômico, robusto, silencioso e, o que mais agrada os clientes, tem torque e potência. Por isso a engenharia alemã prefere não mexer em algo que garante satisfação.

Mas mexeu naqueles itens que careciam mesmo evolução. O primeiro, como este mercado é um tipo de meio termo entre carro de passeio e veículo comercial, foi dar aquela repaginada no visual. Os novos furgões e vans da marca, que seguem sendo feitos na planta argentina, passam a ter a mesma cara de suas irmãs comercializadas na Europa e Estados Unidos. Muito justo já que há mais de década toda indústria automotiva vem reduzindo o “gap” de transferência tecnológica de lá para cá. O que antes demorava anos, hoje em dia levam-se meses.

Ainda não dá para soltar fogos por isso: se no design as coisas acontecem bem rápido, no que está por debaixo da carcaça, a tal tecnologia embarcada, o processo é mais lento. Mas, façamos justiça, não por culpa das fabricantes e sim por conta das características culturais do mercado nacional que ainda tem a mania muito feia de valorizar preços em detrimento da qualidade. Não fosse assim a Kombi (que incrivelmente deixa até saudosistas) não teria vida tão longa no País.

Alta tecnologia tem custo e o mercado precisa estar disposto a pagar por isso. “Se já estivéssemos neste nível, teríamos aqui, com certeza, o câmbio automático para vans e furgões”, diz Carlos Garcia, gerente sênior de Vans da Mercedes-Benz do Brasil. Ainda não tem.

Novidades - De acordo com Garcia, entre as inovações de segurança da nova linha Sprinter destaca-se o dispositivo Crosswind Assist – Assistente de Vento Lateral. “Esta função ameniza os efeitos indesejáveis de ventos laterais durante a condução, fazendo com que o veículo permaneça em sua trajetória, sem a intervenção do motorista”. Esta inovação a engenharia da Mercedes-Benz tomou emprestada da família Vito, vans e furgões da marca, de menor porte, lançada no ano passado no Brasil.

O assistente é ativado a partir da velocidade de 80 km/h, por meio de sensores do Programa Eletrônico de Estabilidade ESP. As correções de trajetória são realizadas automaticamente com o acionamento unilateral dos freios, evitando assim que as rajadas de vento possam produzir um deslocamento lateral repentino do veículo. “Essa tecnologia amplia a segurança de condução e, consequentemente, do motorista e dos ocupantes, como também do próprio trânsito”.

Um outro recurso desenvolvido para a nova Sprinter são os faróis de neblina com assistente direcional. Também de maneira automática, os feixes de luz são acionados unilateralmente, direcionando a luminosidade em curvas, proporcionando assim ampla iluminação no campo próximo ao veículo e mais segurança para o condutor e os pedestres.

Redesenhado, o conjunto óptico ganha luzes de circulação diurna, que são acionadas automaticamente assim que o motor entra em funcionamento. Com estas luzes ligadas, o veículo será mais facilmente visto por outros usuários da via e da estrada mas atenção, não vale para a lei que determina farol aceso em tempo integral nas estradas. Para estes casos, é preciso mesmo acionar manualmente os faróis.

Nas vans de passageiros, a Mercedes- Benz equipou as Sprinter com bancos reclináveis nas categorias de 15, 17 e 20 passageiros. Já no caso da van mais luxuosa, de nove lugares, não foi preciso mexer nos bancos que já eram altos e reclináveis.

O design agora é o mesmo das Sprinter comercializadas nos mercados europeu e americano. Faróis, grade frontal, capô do motor e para-lama assumiram formas mais sinuosas e modernas. Na traseira, as novidades ficam por conta da tipologia para o nome Sprinter e para o modelo do veículo, como também para o renovado esquema das luzes traseiras. Além de um efeito visual agradável, as novas luzes de freio facilitam sua visualização.

 
LEIA TAMBÉM